el Fado

À volta do Fado no X-centrico…
viagra vasodilatorviagra 2011 salesviagra expirationviagra resultsviagra nitroglycerinviagra red faceviagra vs cialis priceviagra japanviagra online canadaviagra in womenviagra vs enzyteviagra cialisviagra recreational useviagra grapefruitviagra directionsviagra usaviagra jingleviagra no prescriptionviagra erectionviagra from indiaviagra wikiviagra no prescription usaviagra and alcoholviagra virusviagra buyviagra over the counterviagra juicingviagra by mailviagra triangle restaurantsviagra pillsviagra indiaviagra premature ejaculationviagra dangersviagra joke labelsviagra vs revatioviagra storiesviagra virus emailviagra q&aviagra in canadaviagra kaiser permanenteviagra eye problemsviagra factsviagra urban dicviagra zoloft interactionviagra manufacturerviagra erowidviagra blue visionviagra walgreensviagra super activeviagra durationviagra adviagra quick deliveryviagra las vegasviagra paypalviagra kidsviagra quick tabsviagra light switchviagra los angelesviagra doesn't workviagra from canadaviagra canadaviagra zonder receptviagra effectsviagra prescriptionviagra kick in timeviagraviagra 30sviagra y alcoholviagra use directionsviagra super forceviagra menviagra substituteviagra timeviagra kick inviagra free trialviagra for pulmonary hypertensionviagra kaufenviagra long term effectsviagra usage tipsviagra vs. birth controlviagra going genericviagra knock offsviagra original useviagra recommended dosageviagra womenviagra not workingviagra experiencesviagra benefitsviagra 25mgviagra voucherviagra expiration dateviagra ukviagra headacheviagra horror storiesviagra professionalviagra makes a romantic relationshipviagra 100mg reviewviagra patentviagra mechanism of actionviagra 25mg side effectsviagra under tongueviagra jellyviagra young peopleviagra youtube channelviagra fallsviagra vs staxynviagra in the waterviagra 100mg priceviagra informationviagra historyviagra when to takeviagra vs cialisviagra and ecstacyviagra interactionsviagra without a rxviagra genericviagra for womenviagra newsviagra dosesviagra use in womenviagra nitric oxideviagra nasal congestionviagra overdoseviagra priceviagra best priceviagra mexicoviagra blogviagra overnightviagra jokesviagra coupon

Neste momento encontra-se na categoria Vitor Duarte.

VÍTOR DUARTE MARCENEIRO-Biografia (contada na primeira pessoa)

marceneiro-neto
Chamo-me Vítor Manuel de Azevedo Duarte, nasci em Lisboa no Bairro de Alcântara, em 28 de Abril de 1945, sou filho do fadista Alfredo Duarte Júnior, e neto do Alfredo Marceneiro.

Com o falecimento de minha mãe aos 5 anos, fui viver para casa dos meus avós, Alfredo e Judite, pelo que se poderá dizer que nasci e fui criado a ouvir Fado.

Nunca fui pressionado para me dedicar ao Fado, antes pelo contrário, era incentivado a estudar e tirar um curso (o Fado não era futuro para ninguém dizia o meu avô).

Desde muito jovem, fui registando sem me aperceber “as vivências do Fado” quando acompanhava o meu avô ou o meu pai, ambos me falavam de Fado, e das suas vivências, a partir dos meus 10 anos o meu avô leva-me praticamente todos os sábados com ele para a sua volta fadista, Bairro Alto, Viela, Alfama e depois Ritz para desfazer a barba, e acabar na Márcia Condença, já gostava de ouvir alguns fadistas, e fiz desde logo a minha selecção de preferências, que hoje se mantém.

Frequentei os bailes de Lisboa, acho que fui razoável bailarino, adorava ir ao cinema e exibir-me com a minha moto (cheguei a exibir gesso e ligaduras), a minha juventude em nada foi influenciada pelo fado, andei até aos vinte anos noutros fados.

Desde muito jovem que tinha a paixão pela fotografia, (tinha um laboratório em casa), com cerca de 17 anos, fui fotógrafo na Viela, do Sérgio, cantavam lá nessa altura Berta Cardoso e Beatriz Ferreira e o próprio Sérgio, mas esta actividade era paralela à minha profissão ligada aos automóveis, como tinha uma moto ajudava para a gasolina, ser fotógrafo já era o pretexto para andar no Fado, pois eu não cantava e nem tal me passava pela cabeça, mas arranjei muitos amigos no meio, confesso que mais clientes que artistas, e obviamente quando sabiam quem eu era, logo o tema da conversa era o meu avô.

Em Alcântara, onde eu passei a morar com a minha avó Maria (da parte da minha mãe) quando passei a frequentar a Escola Industrial Marquês de Pombal, abre o Restaurante Típico O Timpanas, e vou para lá como fotógrafo, pois era amigo dos donos a família Forjaz de Brito, (O Rui Forjaz de Brito foi o autor do prefácio do meu primeiro livro sobre o meu avô. Ainda em Alcântara logo ao lado do Timpanas, havia também “A Cesária”, onde o meu saudoso tio Carlos parava e quase sempre cantava, que eu comecei a frequentar, era sempre até ás duas e tal da madrugada, de manhã é que era difícil acordar para ir trabalhar, mas nunca faltei aos meus compromissos, mas que houve muitos dias que até parecia que dormia em pé, houve, mas valeu a pena, que saudades.

Só cantei em público já tinha cerca de 20 Anos, como aliás expliquei como tudo de passou no meu livro biográfico da Hermínia Silva, e que já aqui foi publicado. VER PÁGINA

Entretanto faço o serviço militar na Arma de Cavalaria –Santarém e Santa Margarida, onde aperfeiçoei a arte da fotografia e me iniciei com no Filme, isto porque, embora a minha especialidade fosse Carros de Combate M-47, o comando pelas minhas aptidões nos audiovisuais, nomeia-me responsável pelo departamento de Fotocine do quartel.

Mal acabei o serviço militar tive uma experiência curta como profissional de Fado no Restaurante Típico Luso, ao lado de Tristão da Silva, Augusta Ermida e Plínio Sérgio.

É por esta altura que gravei a solo e em dueto com meu avô e com meu pai, para as editoras, EMI-Valentim de Carvalho e Discos Estúdio do nosso amigo Emílio Mateus.

A paixão pelos audiovisuais leva-me a abandonar a segurança que tinha no ramo automóvel, e a abraçar uma carreira no cinema, bastante mais insegura, mas para mim mais gratificante.

Comecei com Director Comercial, passei a Produtor Executivo, na Cinegra produtora do Magazine Cinematográfico VIP87, do realizador António de Almeida Lopes até Abril de 74.

Como independente fui produtor e realizador do Jornal Cinematográfico “Bric à Brac” e de vários documentários e filmes de publicidade.

Em 1975 entro para o Ministério da Comunicação Social – Instituto Português de Cinema, como Chefe de Produção, mais tarde passo a exercer em simultâneo as funções de Operador de Som, posteriormente e após vários trabalhos inclusive 2 filmes de fundo, passo a Director de Som, vindo mais tarde com a ajuda de uma bolsa de estudo a fazer um o Curso de Engenheiro de Som (3anos) sendo isento de estágio pelo trabalho já feito antes do curso.

Fui ainda correspondente das Televisões

Em 1979, fui produtor e Director de Som no programa de Televisão para a RTP 1, “MARCENEIRO – Três Gerações de Fado”, programa este, onde canto com o pai e meu o avô, merecendo o agrado unânime quer da crítica, quer do público, o programa estreou em 1980 e meu avô vem a falecer em 1982, foi assim o seu último registo em filme.

Em 1991 fui o impulsionador das Comemorações do Centenário do Nascimento de Alfredo Marceneiro, tendo sido convidado por Joaquim Letria para a RTP 1 conjuntamente com meu pai e Carlos do Carmo.

Cantei no programa de fados produzido pela SIC, (o único até hoje) quando do primeiro aniversário desta estação de televisão, a convite do jornalista Vitor Moura Pinto.

Actuei várias vezes na “Grande Noite de Fado” no Coliseu dos Recreios a convite da Casa da Imprensa.

Fui convidado de Herman José no programa “Parabéns” na RTP 1 (1994), onde actuei, assim como de Carlos Cruz no programa “Zona Mais” na RTP 1, por Júlio Isidro para a TVI, e por Teresa Guilherme para a SIC, nesta conjuntamente com meu pai e já após o falecimento de meu avô

José Lá Féria convida-me a actuar na abertura da emissão em directo da “Grande Noite do Fado em Homenagem a Alfredo Marceneiro” em 1998, para a RTP Internacional e RTP África

Na “Grande Noite do Fado de 2000 e 2001” fui convidado pelo jornalista e Director da Casa da Imprensa José La Féria, para Presidente do Júri.

Sou o autor dos livros biográficos de meu avô “Recordar Alfredo Marceneiro”(1995) e “ Marceneiro – Os Fados que ele cantou”(2001)

Sou ainda autor e editor do livro biográfico “Recordar Hermínia Silva” (2004)

VER PÁGINA

Tenho produzido vários Diaporamas sobre Figuras do Fado, que utilizo quer em espectáculos quer em conferências sobre Fado.

Foi convidado de Manuel Luís Goucha no programa “Praça da Alegria” na RTP 1.

Fui o fadista convidado para cantar no VideoClip de promoção do Fado, para a EXPO 98.

Tenho sido convidado pelas entidades competentes para fazer várias palestras subordinadas ao tema., Histórias para a História do Fado, nos seguintes locais:

Biblioteca Museu da República e Resistência – C.M.L.

Fonoteca Municipal de Lisboa.

VER PÁGINA

Fórum Roque Gameiro – C.M. Almada

Fórum Municipal – C.M. Benavente

Salão Nobre – Casa da Imprensa

Fórum da Biblioteca Municipal – C.M. Alenquer

A Voz do Operário

Sou sócio fundador da Associação Portuguesa dos Amigos do Fado “A.P.A.F.” tendo sido recentemente eleito para vogal da direcção.

É Sócio Honorário da Associação Benaventense dos Amigos do Fado.

Fui entrevistado no programa SIC 10 Horas de Fátima Lopes por ser o ideólogo e principal impulsionador de colocar Lisboa no Guiness Book of Records, como “A Cidade mais Cantado do Mundo”.VER PÁGINA

Ainda na SIC 1O Horas, cantei o Fado, BAIRROS LISBOA, de Carlos Conde e Alfredo Marceneiro. VER PÁGINA

Mereceu ainda um especial destaque esta iniciativa, tendo tido uma ampla divulgação que em Portugal como em praticamente todo o mundo através da notícia da LUSA pelo jornalista Nuno Lopes.VER PÁGINA

Foi ainda noticia de destaque no Jornal das 9 horas da SIC, e retransmitida na SIC INTERNACIONAL. VER PÁGINA

2006 Apresentei no Museu do Fado Diaporamas sobre Alfredo Marceneiro e Hermínia Silva

2007 Fui o produtor executivo do CD ” MARCENEIRO…é só Fado”

VER PÁGINA

e ainda do CD ” 3 Gerações de Fado

VER PÁGINA

assim como o DVD – Alfredo Marceneiro 3 Gerações do Fado.

VER PÁGINA

Enaltecer o Fado e os fadista, é a minha aspiração, e por essa razão enquanto faço a recolha dos dados sobre Lisboa, vou fazendo História do Fado, (lembrando quem o cultivou) mas como é natural e por direito com grande destaque ao meu avô Alfredo Rodrigo Duarte, que é também o meu, e vosso Alfredo Marceneiro.

Continuo a cantar, não tanto como eu gostaria, mas tenho que entender que não faço parte do “Lobbie”. continuo também a fazer palestras e a escrever sobre Fado

(in Lisboa no Guiness)

Posted 8 years, 2 months ago at 16:13.

Add a comment

Vitor Duarte interpreta “Bairros de Lisboa” Letra de Carlos Conde e música de Alfredo Marceneiro

Posted 8 years, 2 months ago at 15:57.

Add a comment

Alfredo Marceneiro canta a dueto com seu neto Vítor Duarte “Amor é Água que corre”

(….muito bem sim senhor!) diz o Mestre
Isto é FADO!

Posted 8 years, 2 months ago at 15:49.

Add a comment